4 de fev de 2010

Notas Sobre um Escândalo

Notes on a Scandal. Inglaterra, 2006, 92 minutos. Drama.
Indicado a 4 Oscar, nas categorias Melhor Atriz (Judi Dench), Melhor Atriz Coadjuvante (Cate Blanchett), Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Trilha Sonora.
______________________________

Há muito queria ver esse filme e ao conferi-lo cheguei à conclusão de que minha espera valeu a pena. Reunidos nessa obra, estão elementos importantes para a boa composição de um filme: bom roteiro, ótima trilha sonora, fotografia interessante e - nesse caso em especial - excelentes interpretações das atrizes (e também do elenco de apoio).

Barbara Covett (Judi Dench) é uma professora solitária e dominadora, que controla com mão de ferro os alunos de uma decadente escola pública de Londres. Barbara vive apenas com seu gato, Portia, não tendo amigos nem parentes. Sua vida muda quando a escola em que trabalha contrata Sheba Hart (Cate Blanchett) como a nova professora de artes. Sheba parece ser a amiga com que Barbara sempre sonhou, atenciosa e leal. Porém quando Sheba passa a se envolver com Steven Connolly (Andrew Simpson), um de seus alunos mais jovens, esta amizade torna-se perigosa, pois Barbara ameaça revelar seu segredo para o marido dela, Richard (Bill Nighy), e para todos à sua volta. (fonte - adorocinema.com)

O espectador que for assistir a esse filme deve estar preparado para fortes emoções: há um pouco de amores, interesses, desejos e fúria, todos se compondo e formando a obsessão. O roteiro, desde o princípio, já nos mostra a nuance de uma personagem, a principal, vivida por Judi Dench: ela é uma mulher que se ocupa em anotar tudo o que acontece em vida e todos os seus sentimentos. A personagem é muito complexa, pois, embora rancorosa e amarga, ela busca sua alma gêmea, alguém com quem possa compartilhar a felicidade e quando ela pensa que Sheba está prestes a se encaixar naquele perfil de "amiga" que ela deseja, todo o seu amargor se desmancha, tornando-se alegria - com direitos a sorrisos espontâneos! Sheba, secundária na trama, porém de extrema importância, é um fluxo constante de pensamentos e sentimentos, afinal nutre amor pela família que tem e, ao mesmo tempo, sente-se enclausurada dentro de seu próprio padrão de felicidade. O roteiro apresenta com excelência o foco do desejo de Sheba: ela quer ser adorada, ser cortejada e saber que causa prazer em alguém; nada melhor do que um garoto de 15 anos, bastante jovem e viril, para satisfazer as suas fantasias. A personagem, embora não seja inerentemente sexualizada, tem um lado sensual bem apurado. Gostei muito de duas cenas que mostram situações comuns (??) de maneira bem peculiar: Sheba, após fazer sexo oral em Steven, limpa delicadamente a boca e, depois, já no final do filme, ela está sentada no vaso, fazendo xixi. O que há em comum nessas duas cenas? A sensualidade! Cate Blanchett provocando desejo absoluto nas pessoas, mesmo em situação como essas...

Judi Dench e Cate Blanchett, de longe, em seus melhores personagens. E as indicações que receberam veio para firmar isso. Como sempre, a primeira se mostra antipática - ela, por fim, se especializou nas personagens pouco amistosas e deveras rudes -, mas inquestionavelmente sua interpretação é daquelas que te deixam de boca aberto, esperando ansiosamente o que vem a seguir. Com perfeição, Dench compôs uma mulher dura e sem amigos, que se alimenta daquilo que sente pelas mulheres, a quem chama de "amigas", e pelas várias anotações que faz. Em contrapartida, Sheba é deslumbrante e vive como se sonhasse, é uma fada, bastante etérea. Uma cena que demonstra bem a sua leveza é aquela na qual eles dançam após o almoço. A atriz esforçou-se para mostrar com eficiência os seus olhares, a sua delicadeza e, mais a fundo, o quão sensual pode ser. Bill Nighy, intérprete de Richard, marido de Sheba, assim como todos os outros atores, está muito bem nessa produção e tem suas cenas de destaque. Vale citar a que os dois discutem, após Sheba lhe contar tudo o que aconteceu. Andrew Simpson, em parceria com Cate Blanchett, formam uma dupla muito eficiente: ela visivelmente mais velha do que ele; ambos, porém, muitos felizes juntos. Ele pouco aparece e sua função básica é incendiar Sheba e provocar o desespero de Barbara, desestabilizando com seu jeito maroto todo o equilíbrio na vida dos personagens.

O filme tem elementos polêmicos, como o relacionamento de uma professora com um de seus alunos, que, além da ética, expõe ainda a pedofilia, uma vez que o parceiro de relação é um menor, embora, como Sheba mesmo diz, "ele vai fazer 16 anos, não é tão inocente assim". Sheba também tem um filho com Síndrome de Down, talvez usado para justificar que ela tem uma vida bastante ocupada com ele e que, de alguma forma, a afastou de outras coisas. É fato que o filme não conduz a abordagem ética desses temas. Não somos apresentados a apontamentos de culpa, uma vez que, narrado em primeira pessoa, temos a visão específica de uma personagem e não uma verdade universal. Possivelmente, a inserção do filho de Sheba na história sirva apenas para que Barbara possa criticá-lo e falar mal dele para si mesma (em suas anotações) e, mais tarde, Sheba pudesse descobrir tudo de uma maneira geral. Ainda que amigas, Sheba e Barbara entram em conflitos várias vezes. A velha se insinua para a outra o tempo todo, tendo provocar uma aproximação, tentando tocar Sheba, tentando fazer com que a outra a ame. Sheba, invadida e dependente, leva a situação conforme pode, evitando as manifestações de Barbara, esforçando-se para deixar claro que são amigas, ou o mais próximo disso.

Notas Sobre um Escândalo é um filme denso e com qualidade sobre situações polêmicas que podem acontecer a qualquer um ao nosso redor e por isso é extremamente recomendável. O mundo afinal está cheio de Shebas e Barbaras, mulheres que se envolvem com adolescentes e mulheres que reprimem seus desejos tornando-se duras. Como eu disse, o filme não traz questionamentos éticos, logo, quando terminamos de vê-lo não nos sentimos tentados a julgar uma ou outra personagem. Temos plena consciência de que ambas fizeram aquilo que lhes agradava, ambas foram domadas por seu instinto maior e ambas seguiram conforme o curso normal possível considerando suas personalidades. E aquele final só me fez ter certeza de que o filme é uma excelente composição. Nada de fins felizes, tampouco fins terríveis. Fins reais.

Luís
_________________

Notas Sobre um Escândalo é um filme fantástico. Provavelmente todo elogio que eu der para o filme será pouco. Não há palavras para descrever o roteiro magnífico que prende o telespectador e as atuações maravilhosas que completam o filme. Não citei a fotografia, trilha sonora, pois tenho que dizer que não me foquei em muita coisa, apenas me deixei levar pela história. Há diversos pontos que, particularmente, levaram Notas Sobre um Escandalo para um patamar acima no quesito "filmes" como o foco central em apenas duas persoangens possibilitando um desenvolvimento amplo e denso de ambas e o tempo de duração que torna o longa relativamente curto, mas que por isso, não deixa espaços para cenas jogadas ou para enrolações. Tudo ocorre em um tempo rápido fazendo que a trama envolva quem assiste demaneira rápida.

Não sou o maior conhecedor de Judi Dench (dos ótimos Chocolate e Orgulho e Preconceito), mas pelo que vi dela,gostei de todos. No papel de Barbara, ela se transforma em uma professora solitária que vê em um convite especial uma futura amizade. O interessante de sua personagem é que ela parece não acreditar no acaso, tudo é marcado, programado fazendo de suas amigas, vítimas. Em certos pontos até confundimos as atitudes de Barbara com a de uma louca, já que essa não mede esforços para deixar tudo ao seu gosto, dando ao filme em certos momentos tons de suspense. De Cate Blanchett também não sou o maior especialista, mas a considero uma atriz muito boa, mesmo tendo visto recentemente Elizabeth que parace ir do nada pra lugar nenhum. Voltando a Notas Sobre um Escândalo,sua personagem Sheba se vê amedrontada da repercursão que pode causar o escândalo em que se envolveu e para isso, faz todo o possível para deixa-lo no anonimato.

A partir dessa perspectiva o enredo se desevolve e acho que esse critério no filme só mostra o tom sexual para dar margem para o resto da história, o que está em jogo mesmo é a relação das duas duas personagens e as consequencias das escolhas de ambas se tudo for revelado. Não há como não gostar do filme, tudo caminha tão bem que passada uma hora de filme, torcemos pra que tenha um pouco mais para que possamos nos deliciar com as cenas propiciadas pelas atrizes principais. Por fim, não há como não recomendar Notas Sobre um Escândalo,e se ver esse filme e tiver com vontade de assistir algo denso e ótimo, não hesite em escolhe-lo.
 
Renan

7 opiniões:

Cristiano Contreiras disse...

Que bom, finalmente, ver este filme por aqui!

Lembro que foi um dos primeiros que decidi "apimentar" em meu singelo espaço, pois ele trata de um teor forte de sensualidade, do abalo do desejo e das motivações secretas do ser humano.

A resenha está bem eficaz, parabéns pros dois!

Adorei ver este filme aqui...ah, é bom lemmbrar a inspirada e aterrorizante trilha proposta por Phillip Glass, por sinal é muito parecida com os acordes de As Horas.

Um filme perfeito, sem dúvida!

Abraço

Roberto F. A. Simões disse...

Ainda não vi e estão fartos de mo recomendar. Acho que estou à espera que passe na tv...

Cumps.
Roberto Simões
CINEROAD – A Estrada do Cinema

Julio Cesar Lourenço disse...

cara este filme nao vi ainda... mas pela sua indicaçao vou atras!

Ciro Hamen disse...

Um filme altamente recomendável mesmo. A tensão que ele vai criando é incrível. E as duas atrizes principais merecem todo o reconhecimento que conseguiram. Ótimo filme!

Abraços!

Marcelo A. disse...

Nossa, a Judi tá suprema nesse filme!

Engraçado que tive essa mesma sensação do Renan... o filme é muito curto! Pra mim, ele renderia muito mais!

Gosto de filmes que abordem a natureza humana, as suas nuanças, os seus lados... Notas Sobre Um Escândalo me pegou pelo pé! Ora eu as odiava, ora eu as amava... Uahahahhaa!!!

Grande indicação!

Thiago Paulo disse...

Nossa, esse filme ´demais, um dos meus preferiados. Tá até na lista de filmes que ainda tenho que comprar.

kate e Judi estão fantásticas, e a história é muito boa. O filme poderia ser só sobre uma professora que acaba se relacionando com um aluno, mas é muito mais...

Abraço e desculpa a demora!

Ricardo Martins disse...

Eu passei pela mesma coisa, desde o Oscar eu tinha interesse em ver este filme. Vi recentemente e valeu sem dúvidas, a espera!

Gostei demais das atuações fortes de ambas, em destaque a orgulhosa Judi Dench.

A relação de Cate com a garoto, é realmente algo perigoso. E interessante as idas e vindas que os tem, mesmo Sheba sabendo que Barbara sabe e a havia alertado.

Mas o mais chocante do filme, na minha opinião, é o interesse de Barbara em Sheba!

E aquele final que já nos apresenta a sequência do que virá depois...

Muito bom mesmo!!

Abraço