7 de jan de 2011

Ken Park

Ken Park. EUA, 2002, 96 minutos. Drama.
Larry Clark conseguiu criar uma obra que choca por sua superficialidade, exibe sexo descontextualizado e incomoda - com razão - as pessoas que buscam um filme mais sério e denso, com algum tipo de crítica social.

Após vê-lo apresentado pelo Hugo, do Cinema - Filmes e Seriados (clique aqui para ver), eu fiquei curioso para conhecer essa obra. Ao pesquisar sobre ela, outro fato me chamou a atenção: Larry Clark, o diretor desse longa-metragem, tem também outro filme bastante polêmico em seu currículo. Curiosamente, ambas as obras têm enfoque no cenário adolescentes e nos problemas em torno dos jovens, principalmente a respeito da sexualidade. Lendo breves sinopses, concluí que Ken Park poderia ser um bom filme. E poderia mesmo.

O acerto do filme é mínimo. Ele mostra grupos não-esterotipados e pouco comuns de jovens: uma garota bem "acesa" que vive sob a guarda religiosa do pai; um garoto que se envolve com a namorada e com a mãe dela; um garoto rejeitado pelo pai, que o trata de modo rude, assumindo que o filho seja homossexual; um garoto que vê sua privacidade invadida pelos avós, com quem mora. Por fim, há Ken Park - personagem título do filme que logo no começo se suicida diante de todos do colégio. Esse aspecto do filme é interessante, pois ele retrata a vida de tipos difíceis e esse poderia ser o motivo principal para a concepção de uma boa obra cinematográfica.

Cada personagem tem seu momento em cena e todos têm suas vidas contadas parcialmente, já que todo o filme se passa em um dia. Porém, pelo excesso de personagens, é difícil contar com eficiência a história de todos sem que surja um tom de superficialidade, pois parece muito coincidente que todos passem por tudo o que passam no mesmo dia. Um pensamento fica em nossa mente: são amigos porque são rejeitados pela sociedade? Mesmo que pensemos assim e concluamos que seja isso mesmo, é improvável que todos aqueles eventos aconteçam simultaneamente com todos eles. Compreendi o intento do diretor: mostrar um retrato da vida dos quatro jovens. Isso explica o porquê de exibir um dia na vida deles, ou seja, tal como numa fotografia, o que se registra é apenas um momento e não uma sequência grande deles. O roteiro poderia ser muito bom; não o é, no entanto. E isso se deve exatamente ao pouco que é mostrado e ao tanto que é deixado para se subentender - assim, toda e qualquer densidade parece pouca, tornando o filme apenas "mais um" e dispensável.

Muitos se chocam com as cenas de sexo. Alguns até as consideram explícitas - e algumas são mesmo. No entanto, não acho que elas atrapalhem o desenvolvimento do filme e a nota baixa que eu dei à obra decerto não está relacionada à pronografia e ao erotismo exibidos. De certa forma, a maneira crua como o sexo é mostrado - com direito a cenas de sexo oral e ménage à trois - intensifica a proposta do diretor, porém não surte o efeito desejado, já que elas pareçam bastante descontextualizadas. Um bom exemplo é a cena em que Tate se masturba enquanto se enforca e, ao mesmo tempo, vê um vídeo de duas tenistas em plena disputa: o que poderia ser uma cena interessante se torna desnecessária e feia e isso resulta na raiva que alguns sentem pelo filme.

Honestamente, eu o acho um filme infeliz. Principalmente quanto ao roteiro e à abordagem da trama.  Não há nada que valha realmente a pena e até mesmo o título parece não ser justificado ao longo da exibição. Larry Clark não mostra nada que seja verdadeiramente produtivo aos olhos de quem vê o filme e acho que não seria totalmente estranho se esse filme ficasse esquecido nas prateleiras das locadoras. Vejam-no somente se estiverem com muita curiosidade. Caso contrário, abstenham-se simplesmente de conferi-lo.

2 opiniões:

Cristiano Contreiras disse...

Concordo integralmente com seu texto.

Este filme é extremamente bobo, ridiculo...a sexualidade abordada por ele é bem insana!

abraço

Hugo disse...

Obrigado pela citação.

Infelizmente Larry Clark procura apenas chocar o público. Seus outros trabalhos são melhores. Kids lembra este Ken Park, mas tem uma história melhor e acredito que mais realista, já Bully é drama forte, talvez seu melhor filme.

Abraço