2 de nov de 2011

O Turista

The Tourist. EUA, 2011, 100 minutos, ação. Diretor: Florian Henckel von Donnersmarck
Um filme que, como a maioria dos filmes de ação, segue uma fórmula já muito conhecida, mas que, nem por isso, deixa de entreter o espectador.

É de se esperar que filmes com Johnny Depp rendam bastante e o mesmo pode ser dito a respeito de Angelina Jolie. O que dizer então de uma obra cinematográfica na qual ambos os atores aparecem? Pois é isso que vemos em The Tourist, obra na qual esses atores trabalham juntos e participam de muitas cenas de ação, retomando alguns de seus clássicos – ou alguém vai dizer que correr pelo telhado não faz com que sejamos remetidos às andadinhas engraçadas de Jack Sparrow?

Angelina Jolie já é experiente em filmes de ação policial, então não é nenhuma novidade para ela interpretar a bela e perigosa Elise Ward, uma mulher que, juntamente com o seu amante foragido, planejam um golpe perfeito e envolvem Frank Tupelo, um turista, em seus planos de fuga. O professor de matemática está indo para a Europa quando conhece a mulher num trem e envolve-se com ela, o que lhe trará muitos perigos, pois ele acaba sendo tomado como Alexander Pearce, namorado de Elise e ladrão procurado em 14 países diferentes.

Como podem perceber pela sinopse que fiz acima, esse é um filme de ação, basicamente. Há romance, um pouco de drama, situações de tensão, thriller e algum humor, mas, predominantemente, esse é um filme de comédia e, depois de conferi-lo, eu realmente fiquei surpreso que ambos os atores tenham conseguido indicações ao Globo de Ouro na categoria de atuação em comédia ou musical. Se alguém toma esse filme por cômico, algo deve estar errado!Mas, afinal, as edições do Golden Globe já me convenceu de que todo filme que não é drama é comédia ou musical, então... Devo dizer que não há muito que dizer a respeito do roteiro e da direção – tudo nesse filme funciona como deve funcionar dentro do gênero, principalmente se assumirmos os clichês básicos, então somos apresentados a algumas cenas de perseguições, alguns tiroteios, algum romance entre Elise e Frank. De certo modo, penso que o filme não seja ruim como muitos têm dito; ele apenas é regular o suficiente para ser considerado satisfatório na categoria ação. “Satisfatório” não quer dizer inovador, porque não há nada realmente original nesse filme, mas nem por isso ele deixa de causar entretenimento. Enquanto eu o via, o tempo passou e eu nem percebi, porque definitivamente esses filmes têm um poder alienador.

Florian Henckel von Donnersmarck, o diretor, não nega as suas intenções de criar uma trama na qual o elemento importante seja o modo como os personagens são caçados. Há caça o tempo todo, do começo ao fim. E a sua direção apenas realça isso. Não a considero excelente, mas vejo eficiência nela. Não há ousadia, mas não há pretensões falhas também. O mesmo se aplica aos atores principais. Os dois decerto sabiam que estavam num filme feito para agradar a massa, então não hesitaram: assumiram os seus personagens e divertiram-se em cena. Aliás, devo dizer que esse filme me fez perceber que Angelina Jolie é bonita – ou, pelo menos, está bonita. Johnny Depp, num personagem mais ou menos comum – professor de matemática –, não deixa dúvidas de que é talentoso atuando como um criatura bizarra (Edward, Sparrow ou Sweeney Todd, por exemplo) tanto quanto é talentoso atuando num gênero como esse. Se Jolie e Depp não estão maravilhosos, pelo menos me convenceram de que curtiram fazer o filme. E eu curti vê-los em cena.

É claro que essa obra é alicerçada em muitos clichês, pois, como eu disse acima, ela não inova em nada. Tudo aqui é reaproveitado de outros títulos e o diretor seguiu a cartilha para fazer essa obra. Ainda assim, não vejo porque massacrá-la, considerá-la um lixo, ou mesmo falar mal como tenho visto por aí. Eu acho que entretém e agrada se o que você procura não é uma obra intensa que lhe faça repensar a vida. Se o que busca é um pouco de diversão, confiram-no, porque vale a pena.

2 opiniões:

alan raspante disse...

Acho que o problema de O Turista foi a falta de química entre Depp e Jolie, não rolou e nem convenceu. Atores tão bons que acabaram tornando o filme mediocre. Estava bastante confiante quando vi, mas se tornou uma grande decepção.

[]s

Pedro Henrique Gomes disse...

Eu gosto de O Turista, sou um dos poucos.

Valeu pela visita lá no blog! Vou chegar por aqui também. Abraço!