23 de dez de 2010

O Fantasma da Ópera

The Phanton of the Opera. EUA / Inglaterra, 2004, 143 minutos. Drama / Musical.
Indicados a 3 Academy Awards: Melhor Fotografia, Melhor Canção Original e Melhor Direção de Arte.
________________________________________________________________________________

Quando participou conosco no mês de janeiro, a Ciça escolheu três filmes. Um deles foi O Fantasma da Ópera de 2004, uma das várias adaptações que essa história já recebeu. Originalmente, Le Fantôme de l'Opéra foi escrito por Gaston Laroux e publicado em 1910. Desde então várias adaptações surgiram, tanto no cinema quanto no teatro, com destaque para a peça da Brodway, que se tornou a mais vista até hoje - superando Cats. Por enquanto, a obra de 2004, dirigida por Joel Schumacher, é a versão mais recente da história. Vale ressaltar que até mesmo Brian de Palma transpôs para as telas a história.

Christine Daae substitui Carlotta quando essa se irrita durante os ensaios e diz que não cantará no espetáculo de ópera. Todos se impressionam com o talento vocal de Christine, que diz que vem sendo treinada, mas não sabe exatamente por quem. Ela acredita que seja pelo seu pai, mas na verdade quem está por trás disso é o "Fantasma da Ópera". Ele vive no sob o teatro e praticamente domina tudo em sua casa, que definitivamente abrange muito mais do que o subsolo. Christine Daae, porém, se apaixona por Raoul, o que irrita o Fantasma, já que ele pensa que ela pertence a ele.

Vou comentar primeiro a respeito do que achei pior no filme: o elenco. Não entendi bem como um filme potencialmente bom conta com um elenco tão estranho. De um modo geral, não são atores ruins - Gerard Butler e Patrick Wilson, por exemplo, se mostraram interessantes em outras obras. Já Emmy Rossum, intérprete de Christine, não me lembro de qualquer filme que tenha visto com ela no qual ela tenha tido destaque.Mas é fato que eles decerto não se esforçaram o suficiente, porque todos parecem bem indiferentes ao que acontece em cena. Cheios de gestos bruscos, porém sem qualquer essência nesses movimentos, os atores realmente não parecem muito à vontade em cena. Talvez não seja desconforto; talvez eles apenas não encontraram o tom certo para interpretrá-los. Se suas expressões são estranhas, bastante alheias a qualquer elemento em cena, suas capacidades vocais estão muito boas, com sintonia perfeita. Aliás, estão tão bem que eu duvido mesmo que aquela voz seja de Gerard Butler.

Com exceção das atuações, o resto é destacável. A direção de arte e fotografia do filme são lindas mesmo. Tudo está em harmonia no cenário, desde utensílios como os móveis até as cores utilizadas e o contraste entre elas. O figurino do filme é bastante caprichado - os detalhes nas roupas, sejam a smais básicas ou as mais requintadas. É até mesmo impressionante a roupa do Fantasma, que consiste basicamente em uma capa cobrindo uma roupa escura. A trilha sonora também é muito boa, com várias intertextualidades, relacionando vários trechos de algumas canções do filme com outras mostradas mais adiantes. Diferentemente da maioria dos musicais, que contam com músicas com melodias grudentas, daquelas que ficam na cabeça por um mês depois que você viu o filme, O Fantasma da Ópera prima pelo lirismo e encaixa a melodia na letra e não o inverno, como High School Musical faz. O roteiro do filme não é grandioso, é bastante simples. Simples demais, talvez, o que faz com que algumas coisa soem estranhas. A relação entre Madame Giry e o Fantasma poderia ser deixada mais clara, menos encoberta - parece que ela não tem contato nenhum com ele, que o teme, mas mesmo assim ela toma atitudes que vão contra aquilo que ele quer. Aliás, é bastante curioso pensar no "mundo" em que o Fantasma vive... o que diabos é aquele rio embaixo do teatro? Quantos metros abaixo do teatro ele mora? A única saída é pelo teatro? Me fiz essas perguntas, mas talvez as respostas não sejam assim tão relevantes.

O Fantasma da Ópera é um filme com defeitos, mas há bastantes qualidades também. E talvez estas estejam mais intensas do que aqueles, de forma que o filme seja recomendável e interessante para qualquer tipo de público, principalmente aqueles que gostam de musicais. Não acharão tão brilhante como Moulin Rouge nem há coreografias interessantes como em Chicago, mas decerto é uma história divertida, que cativa o espectador. Eu gostaria de saber o que fez com que o rosto do fantasma ficasse daquele jeito - só para constar, ele não é tão feio assim. Até que Gerard Butler continua bonitinho. Se as pessoas da históia achavam-no feio, imagina se vissem o Homem-Elefante vivido por John Hurt...

6 opiniões:

Cristiano Contreiras disse...

Sem mais: DISCORDO amplamente de voce. Acho esse filme GRANDIOSO, melhor até que o superestimado "Moulin Rouge". De longe, talvez, Emmy Rossum seja a mais fraca do elenco, mas ela convence sim. E Butler canta e interpreta que até emociona!!!

Acho a fotografia, as cenas de músicas e certas passagens do filme perfeitas.

Discordo, discordo, discordo!
Abraço

Matheus Pannebecker disse...

Detesto "O Fantasma da Ópera". A parte técnica é louvável e as músicas são boas, mas o Joel Schumacher é um diretor medíocre e o ritmo desse filme é muito arrastado!

Rafael disse...

Sabe, eu sei que não é pra ser superficial, mas...

Fantasma da Ópera me lembra Rinaldo e Liriel, do Raul Gil. Fica impossível analisar uma obra com essa referência na cabeça.

Roberto Simões disse...

Há similitudes, de facto, entre a história de FANTASMA DA ÓPERA e a de O HOMEM ELEFANTE. Gostei do filme, concordo com você, o pior é o elenco. Cantar até canta, agora representar... Só Miranda Richardson assegura o profissionalismo, assim como os novos donos do teatro, os velhos e o Patrick Wilson.
Algumas de suas perguntas têm a sua pertinência, mas às tantas sabemos que pisamos a ficção, não é? A verossimilhança não costuma ser o prato forte do musical.

No geral estamos muito de acordo. Em praticamente todos os aspectos. Penso que poderia ter sido um filme excepcinal, trocassem os actores e o realizador. A banda sonora, essa, é genial. Só quem não percebe muito de cinema poderá considerar este filme superior a MOULIN ROUGE, creio.

Cumps.
Roberto Simões
» CINEROAD – A Estrada do Cinema «

Anônimo disse...

bem assiti o file muitas vezes.
ao assitir entendi perfeitamente a história qd vc assisti esse filme tem q ser c calma e ver o q as letras dizem se não ficara na duvida.
o porão onde o fantasma fica é um lago ñ rio,e se vc perceber qd madame giry explica p o raoul do fantasma mostra q ela coloco ele lá salvando ele dos maltratos de um circo e leva para esse teatro e ele entra pela entrada do fundo o porão.madame giry o conhece bem mas teme seu rancor pelo outros e ela esta a favor dele.
como sabemos td historia tem sua fantasia se vcs quiserem saber mais entr no wikepedia tem uma explicação detalhada do filme,elenco e etc...
erik o fantasma eh bruto,e nunca foi amado.
viu é facil entender esse filme basta presta atenção

Babi disse...

gente o filme é d+.
o rio q vc ta falndo é um lago q passa pelo porão é muito fundo poroes de teatro costumam ser bem fundo.e se repara tem saida por varios lugares por cima,pelo prprio porão onde mamdame giry coloco ele qd criança e ela foi a salvadora dele ela retirou ele dos maltratos e levava alimento p ele ,assim mostrando q ela temia no sentido de que ele era bruto e possesivo mas ela sabia do q ele sofreu o mundo ñ tv compaixão dele.

eu achei engraçado uma coisa a chistine morre antes mas na verdade quem morre antes é erik(fantasma).
se vc ler a explicação da wikepdia entedera melhor a historia.
mas é realmente lindo esse filme