28 de dez de 2009

A Estrada da Noite


Heart-Shaped Box, 2007, 320 páginas. (Editora Sextante).
____________________________________________

O livro conta a história de Jude, um rockeiro "catador", que compra um fantasma pela internet, ele recebe um paletó do defunto em uma caixa em formato de coração (daí o título original: Heart-Shaped Box) mas esse fantasma é real, e torna sua vida um inferno, já que em vida Craddock era um hipnotizador, e pode fazer uma pessoa se suicidar ou cometer qualquer outro crime em minutos.

No decorrer do livro o autor explica o romance entre Jude e Anna (Flórida), enteada de Craddock, que se 'suicidou' depois de levar um pé na bunda dele, como Jude e Marybeth (Geórgia) podem se livrar dele, o porque das vidas de Jude e Marybeth serem tão conturbadas e etc, tudo em uma forma de suspense, terror, aventura e romance.

O livro é o primeiro de Joe Hill (filho de Stephen King), e é realmente bom, não é aquela leitura cansativa; você se apega aos personagens e torce pra que tudo de certo. Acho que não é um livro muito conhecido, pelo menos aqui em Rio Claro (SP), não há nenhum exemplar na biblioteca, o que pode se repetir em outras cidades, então se você tiver que comprar, saiba que vale muito a pena.

Renan
_________________

Quando li a sinopse do livro em sua contra-capa, achei que pudesse ser legal. Não estava totalmente certo, porém, definitivamente, não estava errado. Histórias como essas sempre me pareceram bem interessantes e a forma como o autor parecia tratar do assunto no livro foi o que me motivou a comprá-lo. E como se não bastasse ser o tipo de literatura que gosto, o autor ainda é filho de um dos meus autores preferidos - Stephen King -, o que me fez pensar que Joe Hill seria mais um grande nome da literatura do horror (descobri apenas no meio do livro que havia esse parentesco entre os autores).

O astro do rock Judas Coyne tem o bizarro hábito de colecionar coisas estranhas, sejam elas quaisquer tipo de anormalidades. Junto com uma de suas mais recentes aquisições - um terno que, segundo a vendedora, era possuído por um espírito - veio uma série de tormentos e desgraças. Então, a vida de Judas e Geórgia (ele curiosamente chama as suas namoradas pelo nome do estado em que nasceram), com quem divide a casa se transforma repentinamente quando ele descobre que há de fato um fantasma naquele terno e como se não bastasse, o terno ainda pertenceu ao homem cuja filha fora namorada de Judas e, porteriormente, se suicidara. Junto com os dois cães, Angus e Bon, Judas e Geórgia começam a lutar para sobreviver diante da ameaça incontrolável que se tornara aquele fantasma.

O livro é interessante e recomendável, a leitura flui, mas há um tom muito hollywoodiano no contexto todo: as descrições são por vezes muito exageradas e nos remetem a efeitos especiais supercriativos; o livro parece ter sido feito já com o intuito de tornar-se um filme, então ele já parece meio roteirizado. Joe Hill (ainda) não se equipara ao mestre Stephen King e, comparando uma obra do autor à de seu filho, perceberemos que há um abismo de diferença entre as narrativas. Ponto positivo para 1) a caracterização dos personagens, ora tão comuns, outras tão complexos, 2) a forma objetiva e clara com a qual o livro foi escrito, sem prolixidade e sem transformar em 800 páginas aquilo que necessitaria de apenas 300 páginas para ser escrito e, por último, 3) a boa "tradução" que fizeram de Heart-Shaped Box para A Estrada da Noite, já que o título nacional ficou muito melhor e mais contextualizado com a narração em relação ao título original, apesar de haver um significado para ele. Enfim, o livro vale a pena, apesar daqueles poucos pontos negativos que citei acima.

Luís

5 opiniões:

Cristiano Contreiras disse...

Eu quase comprei este livro, rs.

Várias vezes cheguei a pegá-lo e, perto do caixa, larguei ele e preferi optar por outro produto - geralmente, claro, meus vícios em dvds.

Mas, eu acho que vale a pena mesmo, uma boa leitura, ainda que incomparável aos clássicos do Stephen King - que, obviamente, serviu de base e inspiração.

Abraço!

JULLY disse...

ah meu filho eu acho esse filme meio descartavel sabe...meio bobo...ateh pq steven king é bizarro...eleh se acha um otimo escritor e nem eh, neh...?! se bem que vcs gostam de coisas super comerciais...pelo que notei..o blog aqui eh super holliwodiano. mas eu vou ler este livro depois tah?! ate mais pra voces dois...tchauz!!

Thiago Paulo disse...

Olha, eu sou um dos que não conhecia esse livro. Achei interessante, não só pela história, mas também por ser do filho de Stephan King. Pena que a biblioteca da minha cidade só sobrevive de doações, então, nem tem esse lá.

Abraço.

Luís / Renan disse...

CRISTIANO: Dependendo da obra que você optou por comprar, não fez tanta diferença. O livro é bom, mas existem melhores. Tenho que dizer que nunca li nada do S.K, mas acho que o filho tem tudo para seguir o caminho do pai.

JULLY: Olha...muita gente gosta de Stephen King e dizer que ele é bizarro é meio forte, embora você não seja o exemplo de pessoa normal só de avaliar seus comentários.

THAIGO: É..acho que será meio difícil acha-lo numa biblioteca, mas se tiver a oportunidade de compra-lo, acho que não se arrependeria

Renan

MellGregorio disse...

Sou totalmente viciada em livros. faz tempinho ja que li esse, e adooorei, esses dias lembrei dele e não lembrava o nome, achei ele aqui e vou ler de novo concerteza.