14 de dez de 2009

Harry Potter

Eu (Renan) e minha irmã Joice (que já contribuiu aqui no blog em obras como A Múmia:  Tumba do Imperador Dragão) iremos postar o perfil vencedor da enquete do mês de dezembro: Harry Potter. Optamos por escrever juntos, assim como o Luís e a Ciça no perfil do escritor Stephen King. Adotamos a ordem cronológica dos livros para os que não conhecem a série aprender um pouco e no final damos nossa opinião sobre o conjunto em geral.

______________________________________________


Harry Potter é a série que fez parte da adolescência de todos aqueles que hoje estão lá nos 17 a 20 anos.No geral, considero Harry Potter uma das melhores séries que já li, e com certeza está entre as melhores já escritas. O que mostra isso é a tamanha popularidade dos livros (e também dos filmes) que ganham novos fãs a todo o momento. Escrito em 1997 pela britânica J.K Rowling, a série começa com o primeiro volume: Harry Potter e a Pedra Filosofal. Nele é que conhecemos Harry, garoto órfão maltratado pelos tios, que não se encaixa em nenhum padrão normal e que nem sabe ser um bruxo até começar a receber cartas estranhas que abrem um novo mundo completamente diferente da realidade a que nós, trouxas, estamos acostumados. É nesse volume que J.K inclui a maioria dos personagens importantes, além de criar um mundo mágico onde o esporte tradicional é feito sobre vassouras que voam (atentem para o pomo de ouro, tendo em vista que ele é importante para a última parte da estória), onde é possível ver cães gigantes de três cabeças e etc. Em a Câmera Secreta (do ano seguinte), vemos a evolução do garoto e um pouco mais sobre seus amigos, Rony e Hermione, além do começo da introdução de uma trama com raízes complexas e profundas que se descortinará no decorrer da série, e um novo confronto com o vilão Voldermort, ou Você-Sabe-Quem para os mais fracos (deve ser o clima do livro, mas esse ainda é um dos meus preferidos). Novamente, a escritora mostra um domínio sobre a escrita e faz com que o leitor fique preso até o livro acabar. Lembrando que nesse livro também há passagens importantes para os outros livros. Em O Prisioneiro de Azkaban (de 1999), temos a aparição de novos personagens, um maior amadurecimento dos três, e a revelação de segredos que até então atormentavam Harry e que serão importantes posteriormente. Há nesse livro (e principalmente no filme) um tom sombrio, que mostra a série amadurecendo sem, perder um toque cômico. Em 2000, foi lançado quarto livro: Harry Potter e o Cálice de Fogo, sem duvida um dos mais legais, já que é imenso e traz mais detalhes, além de começar a ficar mais adulto (tanto o livro quanto os personagens) e ser cheio de acontecimentos interessantes. E uma espécie de divisor de águas, posto que daqui pra frente os livros não são mais tão inocentes, e trazem uma carga maior de informações e ações.

Harry Potter e a Ordem da Fênix só saiu três anos depois do seu antecessor, e a partir dele, a espera dos fãs teve que aumentar um pouco. O quinto livro é o maior da série com suas 702 páginas, porém, as vezes temos a impressão que lemos, lemos, lemos e não acontece nada de forma que o livro se torne um pouco cansativo. É nesse volume que a comunidade bruxa vive com o temor e a apreensão, visto que Voldemort pode ter retornado de vez. O sexto volume talvez seja o meu preferido. Lançado em 2005, Harry Potter e o Enigma do Príncipe de inocente não tem nada. Já podemos ver temas como a morte e uma magia negra profunda e macabra, há o romance que fica mais evidente e há a morte de um personagem extremamente querido, sem falar que a premissa para o sétimo, e último livro, começa nele. Pois bem, depois praticamente 10 anos, Harry Potter chega ao final. O sentimento de lê-lo (para quem acompanhou a série e esperou o lançamento dos livros) é indescritível. Acima de tudo, não queremos que a série acabe, ao mesmo tempo que queremos muito saber o final. J.K mostrou nesse livro que sabe como escrever uma batalha (que tem tudo para virar épica no cinema), sabe como emocionar o leitor com cortes de personagens cultivados desde o primeiro livro, mas deixa os leitor na mão com o final. Quando acabei de lê-lo, não acreditei que o livro tinha acabado de forma tão besta, mas analisando, a parte final não chega nem perto de estragar a magia e o entusiasmo que sentia quando lia (e as vezes leio) os livros.

Não cabe a nós ficar contando o que acontece nos livros, isso fica para sua leitura. O que é interessante discutir, é que é nesse novo mundo que se abre em nossas mãos que conhecemos personagens inesquecíveis e estranhamente reais. É uma série bastante interessante, na medida que levou inúmeras pessoas a uma grande depressão por não poder viverem nessa realidade  (eu na época inclusive), e que abriu uma nova porta na literatura, posto que a partir daí as ficções se tornaram cada vez mais cheias de “criaturas mágicas”. O interessante é que o livro cresce conforme os personagens e os leitores crescem, onde constatamos a sensibilidade de J.K. para acompanhar a fase transitória tanto do personagem Harry que está saindo da infância e entrando na adolescência, quanto dos leitores que estão na mesma, e que até então estavam lendo a coleção vagalume.
Em uma rápida analise psicológica, podemos dizer que Harry Potter é nada mais que a personificação do conflito pelo qual passamos nessa fase da vida, sendo que no primeiro livro, ao começar a descobrir o mundo, esse pré-adolescente começa a se sentir deslocado na vida real, nunca achando um nicho no qual se encaixe ou algo em que fosse bom, em suma, passando por uma fase de perda da inocência e ganho de conhecimento, que é justamente o que a entrada dele para Hogwarts e seu primeiro contato com “o Mal” representa. O que também vemos no segundo, quando os garotos começam a reparar mudanças em seu corpo (representado aqui pela poção polissuco), e também no terceiro e no quarto onde vemos o começo de uma certa irresponsabilidade tão característica dessa fase, além do romance que não poderiam faltar.
É sempre muito triste quando nossos próprios sonhos caem por terra, mas aqui tenho de fazer a triste comparação. Para aqueles que já leram As Crônicas de Nárnia e O Senhor dos Anéis, fica claro que J.K. não escreveu nenhuma historia tremendamente original, afinal, encontramos inúmeros elementos dessas obras dentro do mundo de Harry. Não foge muito da decepção que sentimos ao ver que Crepúsculo na verdade é uma amarra de Vampire Diaries e também dos livros da série de Sookie Stackhouse.
Enfim, o que realmente importa é que Harry Potter marcou muito toda uma geração que cresceu acompanhando o crescimento do jovem bruxo e que são livros extremamente gostosos de ler. Recomendamos muito a todos.

Joice e Renan

7 opiniões:

Arnek disse...

Li todos os livros acho que os ultimos poderiam ter sido melhores

http://midiasocialbrasil.blogspot.com/

Marcelo A. disse...

Dia desses, o Luís perguntou se eu já havia lido "Harry Potter" e eu respondi que sim. Pra falar a verdade, li apenas um, "Harry Potter e a Pedra Filosofal". Gostei da narrativa, mas não sei porque não dei continuidade. Mais ou menos na mesma época, li "Desventuras em Série", mas também não levei a leitura adiante. Quem sabe ainda não dê tempo?!

Matheus Pannebecker disse...

Harry Potter marcou a minha infância. Foi o primeiro livro sem imagens que comprei e fui completamente encantado pela história. A J.K. Rowling não é boa escritora e todo mundo sabe disso, mas a imaginação dela é tão rica e o mundo que ela criou tão encantador, que fica difícil resistir. Gosto de todos os livros, menos do último, que achei muito tedioso até a metade e que não encerrou a série com a grandiosidade que eu achei que estaria presente.

ana disse...

JK rowling pode ate ter pegado algumas coisinhas de outros livros mas HP é mil vezes melhor do que Crepusculo e todos aquilos vampiros bestas.
nao importa se O Senhor dos aneis veio antes, o que importa é que HP é bem melhor mas os filmes é uma bosta
pq nao fazem um post pra comparar cada livro com cada filme?

Gabriel Alex disse...

Ja li toda a saga e é realmente uma das melhores que existem!

Anônimo disse...

Apesar das aventuras do bruxinho serem direcionadas ao público adolescente, eu nos meus 28 anos curto muito e acho que o mundo da fantasia sempre deve ser resgatado nas histórias em um mundo cada vez mais violento.

BLOGdoRUBINHO
www.blogdorubinho.com.br
www.twitter.com/rubenscorreia

Luís / Renan disse...

ARNEK: Acho que somente o último poderia ter sido melhor.

MARCELO: Claro que dá tempo. Tanto Harr Potter quanto Desventuras em Série são ótimas recomendações.

MATHEUS: A série também me marcou. Concordo com tudo que você disse, com exceção de que acho J.K Rowling uma ótima escritora e esto esperando ler algo mais dela, pois espero que ela escrava mais coisas.

ANA: Adoro a sua simpatia. Bom...Acho que importa sim se O Senhor dos Anéis veio antes, não que eu ache que SdA é melhor, pois nunca sai da página cinco do primeiro livro. Também acho que os filmes não se equiparam ao livros. Você já leu Crepúsculo? E a dica tá anotada.

GABRIEL: Somos dois que acham isso.

RUBINHO: Nunca conheci ninguem com mais de 25 que gostasse da série, que bom que exitem exceções.

Renan