6 de abr de 2012

Abril e o cinema nacional


Desde que comecei com o blog, percebo um certo afastamento do cinema nacional. Só para que vocês tenham uma ideia, de 428 filmes já publicados aqui, apenas 27 são nacionais, sendo a maioria filmes estadunidense. Sendo assim, resolvi dedicar um mês exclusivamente para o cinema nacional, bem como pretendo realizar, de tempos em tempos, uma incursão por outras estéticas fílmicas... francesas, inglesas, suecas, espanholas, de tudo um pouco.

Sei que muitos vão criticar as minhas escolhas dos títulos que serão apresentados em abril, falando que é "um absurdo que um lixo como Cinderela Baiana esteja na mesma lista que Deus e o Diabo na Terra do Sol", mas eu lamento mesmo: minha intenção não é mostrar exclusivamente filmes de importância histórico-social, mas simplesmente de apresentar títulos que tiveram repercussão de algum modo e que, querendo ou não, constituem parte do cinema nacional. Assim, segue a lista dos filmes que serão apresentados:

08/04 - Estranho Encontro (1958)
10/04 - Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964)
12/04 - A Falecida (1965)
14/04 - Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976)
16/04 - Lúcio Flávio (1977)
18/04 - Giselle (1980)
20/04 - Amor, Estranho Amor (1982)
21/04 - A Dama do Cine Sanghai (1987)
23/04 - O Quatrilho (1994)
25/04 - Cinderela Baiana (1998)
26/04 - Nina (2005)
28/04 - Dois Coelhos (2012)

Espero que vocês confiram as resenhas e que façam sugestão para uma segunda rodada de cinema nacional.

6 opiniões:

Carissinha disse...

Achei estranho quando vi que Cinderela Baiana estava na lista, mas, no mínimo, vai ser uma crítica "interessante".

Beijos.

Carissa
arte Around The World

Celo Silva disse...

Eu quero um bis, um tris... Cinema nacional tem muita coisa boa deixada de lado. Ficou linda essa postagem! Se em ver um Khouri e um Rocha eu fico emocionado.

Abs!

Hugo disse...

Cinema é feito de filmes bons e ruins.

Temos de escrever sobre todos os tipos de filmes.

Ótima iniciativa.

Abraço

Matheus Pannebecker disse...

"Cinderela Baiana": CLÁSSICO hahaha

bruno knott disse...

É isso aí! É sempre bom ir atrás de cinemas de outras bandas... eu também me decido pouco ao cinema nacional, infelizmente!

Vou acompanhar!

Abraços

(ps: link adicionado)

Júlio Pereira disse...

Muito boa a iniciativa, Luís. Alguns, inclusive, nem vi. Cinderela Baiana vi só a cena final e foi suficiente para constatar que era uma obra-prima absoluta do cinema nacional. Ainda que ache Terra em Transe melhor - e mais relevante - do que Deus e o Diabo, amo essa obra-prima do genial Glauber Rocha. Ainda acho que faltou um fundamental: O Pagador de Promessas, primeiro filme nacional a ganhar a palma de ouro. Além de, claro, Cidade de Deus, que abriu portas para o cinema nacional no exterior.