13 de mai de 2010

Jogos Mortais

Saw. EUA, 2004, 102 minutos. Terror.
______________________________

Jogos Mortais, desde que surgiu, tem se tornado uma das franquias mais lucrativas. A legião de fãs que tem conquistado é tão grande que se percebe o esforço dos produtores para que a cada ano um novo filme seja lançado e renda muito em bilheteria. Segundo os produtores, tudo terminararia no sexto filme, mas já percebemos que não será bem assim, afinal, a quinta continuação já foi lançada e uma sexta está em pré-produção. Acredito que se tornará uma franquia do tipo Sexta-feira 13, em que começam a surgir sequências absurdas que nem sequer podem ser chamadas de "sequências".

Acho que o que há de mais interessante no filme é a relatividade que ele apresenta: apesar de as pessoas serem submetidas a jogos sádicos que envolvem sua vida, o principal objetivo é se tornarem mais fortes e aprenderem o real valor da vida. Isso, no entanto, vai sumindo conforme passa o filme, pois as pessoas sempre querem achar uma segunda opção além da qual já foi dada pelo assassino e, por causa disso, acabam morrendo. O ambiente claustrofóbico que esse filme impõe aos personagens é outro ponto positivo no começo do filme, somos apresentados a dois personagens presos dentro de um banheiro; cada um recebe a intrução para matar o outro. Enquanto isso, outros personagens são intruduzidos à estória e vemos que realmente não há escapatória!

No começo, parece haver várias tramas paralelas, mas aos poucos elas vão se encaixando e nós percebemos que Jigsaw, o responsável pelos jogos mortais, não falha ao criar os seus esquemas. Quanto a esse primeiro, embora saibamos pelo final que haverá um próximo, temos a impressão de que todas as peças do quebra-cabeça estão montadas e não há nada a acrescentar, mas esse pensamento se mostra errado quando assistimos os próximos filmes da série e percebemos que há sempre mais um pouco para ser acrescentado e compreendido. O que eu achei muito exagerado são as armadilhas feita pelo assassino, que chegam a ser absurdas de tão complexas. Chego a pensar que ele não poderia matar tanta gente como mata, uma vez que o processo para criação das armadilhas demoraria muito mais tempo do que as pessoas levam para morrer. No filme, dá a impressão que a todo instante, há alguém morrendo, mas a linha cronólogica permite que haja um certo espaço de tempo entre uma morte e outra. No entanto, mais para a frente, perceberemos que o espaço não é mesmo tão grande e que o cara é uma máquina de matar tal como o Jason se tornou.

[SPOILER] Acho que o que há de mais marcante no filme não são as engenhocas mortíferas que Jigsaw cria, mas sim a surpresa do espectador ao perceber que o assassino estava o tempo todo diante dos nossos olhos e dos olhos dos personagens, embora não tenhamos consciência disso. O ápice do filme acontece quando o indíviduo até então morto se levanta, revelando que caso tivesse seguido as ordens dadas, um deles ficaria vivo pelo menos. [SPOILER]

Eu acredito que essa seja uma das pocuas série que fica mais interessante conforme se prolonga - não acho, porém, que isso vai durar e em algum momento será lançado alguma bomba que ferrará com a série toda. Não acho que esse seja o melhor da série e eu gosto de Jigsaw nesse filme, afinal, eu o considero um personagem interessante. Nos outros filmes, contudo, a atuação de Tobin Bell me irritou profundamente e eu torcia exageradamente para que esse vilão escroto se ferrasse - o que, para a minha felicidade, acabou acontecendo. Vejam-no, provável que gostem...

Luís
______________

7 opiniões:

Thiago Paulo disse...

Eu gosto desse primeiro fiolme, foi um supresa pra mim, ainda mais aquel final e tal. Assisti o segundo e até gostei (como entretenimento), mas parei por aí... e nem pretendo ver as outras. Acho que essas cotinuações são exageros.

Abraço!

thicarvalho disse...

Um dos filmes mais brilhantes q já vi . Apesar de toda a violência estética, o filme tem um excelente roteiro, e uma das melhores trilhas sonoras já realizadas. É um belo, porém violento filme. Infelizmente as sequências acabaram perdendo o nível, e ainda consguem sucesso, em função da poderosa trama apresentada no primeiro longa. Grande abraço.

Visitem

www.cinemaniac2008.blogspot.com

Hugo disse...

O original é sensacional como suspense, prendendo a atenção do início ao fim com suas macabras e violentas armadilhas.

As sequências apesar de serem inferiores, também são competentes.

Por enquanto assisti até a parte IV.

Abraço

Caio V. R. de Camargo disse...

Jogos Mortais é uma franquia que, na minha opinião, há um tempo perdeu sua força.
Não há dúvidas de que esse primeiro filme, sobre o qual você resenhou, trouxe inúmeras inovações para o gênero. O terror psicológico fora bem trabalhado, bem como a questão dos valores, embora não seja uma forma muito ética de se provocar uma reflexão desse tipo.
No entanto, não me agrada o excesso de violência nesse filme e em toda série. Entretanto, esse sucesso instiga minha curiosidade acerca da forma como muitas pessoas se sentem indiferentes a tanta agressão, mutilação etc.
Retomando, Jogos Mortais teve seu grande momento no segundo filme e, no segundo, ainda permaneceu com algum crédito. A partir do terceiro, contudo, temos um filme vazio de conteúdo, preenchido apenas pelo vermelho da enorme quantidade de sangue nos nos inunda ao longo de seus 90 minutos de duração.

Parabéns pelos comentários, Luís, frequentarei aqui sempre.

Caio V. R. de Camargo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristiano Contreiras disse...

Eu achei, de certa forma, o primeiro filme - nem deveria ter tido continuações, ao meu ver - bem interessante mesmo e tem uma ótima atmosfera criada, além da ótima guinada no fim.

Mas é só.

Abraço

Renan disse...

O roteiro sabe preender o espectador a graças ao estilo do filme, não vemos personagens burros que sobem as escadas enquanto deveriam correr pra rua.

Realmente bom!